Eugenio de Lima e Pitella Advogados (Ir para a página inicial)
Ir para a página inicial Home Quem Somos Clientes Livros Eventos White Papers Imprensa Equipe Fale Conosco  
 
Press Releases     Artigos     Assessoria de Imprensa
 
Escritório Virtual: envie sua dúvida jurídica     Pesquisar:    
 
 
 
 
Clippings Jurídicos  
 
     
  CFM muda regras de interdição cautelar de médicos  
  (06/07/2010 18:24:00)  
     
  Entre outras alterações, a Resolução permite a prorrogação da interdição cautelar dos atuais seis meses, por igual período e uma única vez.  
     
 
O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou texto que altera pontos da resolução nº 1.789/2006, que regulamenta o procedimento administrativo de interdição cautelar do exercício da medicina. A resolução nº 1947/2010, que entrou em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da União (6 de julho), permite a prorrogação do prazo da interdição cautelar dos atuais seis meses, por igual período e uma única vez. Ou seja, em situações que o exigirem a medida poderá valer até por 12 meses ou um ano.

Nestas situações, durante o período de aplicação da interdição cautelar total, a carteira de registro do profissional junto ao Conselho Regional de Medicina ficará retida até a conclusão do processo. Com a decisão, os conselhos ganham condições de aprofundar investigações e diligências que embasarão as decisões tomadas envolvendo processos éticos abertos obrigatoriamente de forma simultânea às interdições.

Outro ponto modificado com a resolução 1947/2010 é a inclusão da possibilidade de interdição cautelar parcial do exercício profissional do médico cuja atuação esteja prejudicando a população ou possa vir a fazê-lo. Essa medida poderá ser adotada apenas se houver fundamentação que a justifique.

Os casos com possibilidade de interdição cautelar são analisados individualmente e de forma criteriosa pelos integrantes dos conselhos de medicina. De acordo com a resolução nº 1947/2010, a ordem de interdição cautelar (total ou parcial) poderá ser modificada ou revogada a qualquer tempo pelo plenário do Conselho Regional de Medicina, onde o caso é apurado em primeira instância, ou do Conselho Federal de Medicina, no julgamento de recursos impetrados pelas partes.

Em 2006, cinco casos de interdição cautelar chegaram ao CFM (ES, PR, AP, SP e RJ). Em 2007, foram dois (GO e SP). Em 2008, seis (SP, RN, GO - dois, BA e MG). Em 2009, quatro (RN, GO, RS e SC). E em 2010, até o momento, três (SC, PR e AP).

Para o corregedor do CFM, conselheiro José Fernando Maia Vinagre, a entrada em vigor da resolução CFM 1947/2010 corrige aspectos que careciam de atualização. “Os conselhos de medicina terão ganhos importantes em termos de tempo para embasar suas decisões. Por outro lado, aumentamos a segurança da população ao impedir, de forma preventiva, o exercício da Medicina – de forma integral ou parcial - por profissionais que ainda não tiveram seus casos devidamente avaliados sob os aspectos técnicos e éticos”, acrescentou.

Para conhecer a íntegra da resolução 1947/2010, CLIQUE AQUI.
 

    Voltar

       
 
 
 
ANUARIO BRASILEIRO DE DIREITO DA SAUDE, GERENCIAMENTO DE RISCO LEGAL E ACREDITAÇÃO EM SAÚDE
Lançamento: Novem
Comprar  
   
 
 
SAUDEJUR
Lançamento realizado em 07/08/2012 na abertura do 19o Congresso Mundial de Direito Médico
Comprar  
 
 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
 
Clipping Jurídico    
 
 
 
Jul, 30, 2014 | Santa Casa vai manter administração de hospital em Franco da Rocha  
 
 
Jul, 30, 2014 | Multa a plano de saúde  
 
 
Jul, 30, 2014 | Médico com registro cassado é preso mas responderá em liberdade  
 
 
Jul, 30, 2014 | Golden Cross: Condenação por negar cirurgia  
 
 
Jul, 30, 2014 | Anvisa quer agilizar autorizações de pesquisas de medicamentos  
 
 
Jul, 30, 2014 | Secretário rebate Ministério da Saúde e aponta ``erros grosseiros``  
 
 
Jul, 30, 2014 | Anvisa veta solução de sódio e fabricação de cama hospitalar  
 
 
Jul, 30, 2014 | Lei do RJ que obriga farmácia a manter banheiro é inconstitucional  
 
 
  Parceiros  
 
    AC Accreditation Canada   AMIB
 
    BCI Boston Cambridge Institute   FBG Federação Brasileira de Gastro
 
    Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia   IQG
 
    SBOT   SBOT-SP
 
    SBRA   SBRH
 
    SOGESP  
 
 
Eugenio de Lima e Pitella     Política de Privacidade     Termos de Uso
© 2007-2007 Eugenio de Lima e Pitella Advogados. Todos direitos reservados.
 
Powered By Pronto Fatto - Agência Digital Inteligente - 2010